domingo, 25 de maio de 2014

elegia ao brasiliense morto

fotografia por Giovana Anschau.

você rola
os olhos
porque até
os modernistas
estão cansados
das estruturas metálicas,
do tumulto dos sólidos,
da natureza morta.

eu te olho
lá de cima
porque você é tudo
o que eu sempre quis ter,
a refração eu observo
num reflexo fantasma
e eu não atravesso
parede alguma,
nem ferro nem concreto,
nem vidro
nem cinética.

mesmo assim
os vultos passam
te arrastam pra longe
e você ainda olha
do outro lado
e toca as paredes
procurando o calor
que eu, aqui do lado,
insisti em esfriar.

3 comentários: