terça-feira, 6 de maio de 2014

Incertamente, não sei

Olho pela janela do ônibus, procuro algo que não faço ideia do que é, talvez a resposta de coisa alguma, um caminho, um sorriso, um pouco de amor;
Ando por ruas movimentadas e vejo vários rostos e corpos, mas nenhum é o seu;
Vejo as ruas retas, curvas, pavimentadas e até algumas de chão, mas sem caminho para lugar qualquer, nenhuma que dê na porta de sua casa;
Olhei para o portão, porta, televisão, para a cama e o papel e falei "eu não posso";
O que eu não posso? Desculpa, eu não sei;
Ando todo dia procurando saber todas essas coisas;
Descobrir o que me tira o sono;
Descobrir o que há de errado; cause it's easy to wonder what went wrong;
Descobrir o que me mantém em pé;
E aquilo que me tira do pé;

Nenhum comentário:

Postar um comentário