sábado, 23 de agosto de 2014

Minueto em G finito


Desce aqui e me traz mais um poema tácito
recita com um olhar torto, desajeitado
e com as mãos trêmulas e geladas
caminha procurando o retorno de volta.

Não tenha medo de olhar para trás
pois lá não há mais chão nem passado
nem tocha que acende os becos
ou monstros que moram à tua sombra.

Toca uma sonata alegre – ma non troppo –
e transforma a natureza morta
em céu manchado de feldspato.

Levanta daí e procura os teus destroços,
pinta a tua tristeza de saudade
e olha pra mim uma última vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário