sábado, 30 de agosto de 2014

Nimbostratus

E então eu esperei você chegar com os olhos pesados
e dizer "o mundo é tão frágil" ao acariciar meu cabelo
com a vaga concupiscência de saber o que fazer.
"Não sei se quero saber", você pensava.

Na mais tola das noites
nós éramos sós.
Eu acho que a chuva era rápida e horizontal
pelo jeito que você apertava a minha mão
pra ver se tudo ficava mais morno.

Aí você vira de lado
porque todo o resto te incomodava.
Perdidos na tradução das pinceladas escuras
cobrindo o eco das luzes do vagalume
ou da cidade?

Eu não sei.
Às vezes eu só queria poder enxergar matéria escura.

Eu levantaria para ir olhar o céu
e me perder contando as nuvens mímicas
que se camuflam nas estrelas...

E você me puxaria de volta pra ti
guardando um beijo cinza
num aconchego terno, estrelado.

Talvez a gente só precise descansar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário