quinta-feira, 7 de abril de 2016

[à] beira-[mar]

tempos de cólera –
no descompasso da onda
azul-verde-água
mergulhou no tsunami,
por pouco se salvou da tempestade
abrigo na brisa leve do dia
:
correu para o rasinho
voltou a ser criança de novo
molha! os pés na água
e percorre as curvas da estrada
para o nosso lar
da espera, tortura do tumulto
:
só um pouco de paz
no relento de um beijo extinto
[ pois era breve, ]
uma quinta de onda baixinha
se acomoda à beira-mar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário